Google+ Álem M. Martins: Palavra Torpe

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Palavra Torpe

Palavra Torpe

via UMAP - Vitória da Conquista/BA 

image

Não poucas vezes os pregadores falam coisas no púlpito sem pensar nas conseqüências. Outro dia ouvi um pastor asseverar: “Se Deus está contigo, tudo te Irá bem. Você tem que prosperar, pois a presença de Deus garante isso”. Pode parecer uma boa palavra de incentivo, mas tem conseqüências nefastas. Nem sempre a presença de Deus é garantia de sucesso absoluto em tudo. O “dar certo” ou “dar errado” não podem ser um instrumento medidor da presença ou ausência de Deus.  Há casos em que Deus se faz presente e as coisas não vão bem.

Mais recentemente, um pregador disse: “O melhor de Deus pra sua vida está por vir…”. Isso deve agredir os ouvidos do Pai, pois o MELHOR DE DEUS PARA NOSSA VIDA JÁ VEIO: é Cristo! Nada pode ser melhor que isto. Quando afirmamos que o melhor de Deus está por vir, estamos dizendo que Cristo em nós é apenas uma bobagenzinha.

    Sei que muitos poderão argumentar dizendo que são apenas declarações “enfáticas”, não se referindo exatamente ao sentido literal da expressão.  Tal argumento é sofisma. Quem nos ouve, na pluralidade contextual, pode simplesmente estar vivendo conflitos espirituais por conta destas declarações.

    Há ainda uma outra frase que muito me incomoda: “Que parte da bíblia é verdade? Aquela na qual você acredita!”. Já ouvi esta declaração algumas centenas de vezes e isso me causa grande desconforto pois sei que tudo na Bíblia é verdade, creia eu ou não. Fazer uma declaração como esta incorre em alguns riscos. Primeiro, RELATIVIZA a verdade bíblica, acomodando-se ao conceito pós-moderno de certo e errado. Segundo, coloca o público em posição de tolo, uma vez que a verdade NUNCA DEIXARÁ DE SÊ-LA caso alguém não acredite nela. Seria como se um objeto solto no ar deixasse de cair no chão, contrariando a Lei da gravidade, simplesmente por alguém afirmar que não crê nesta lei.

    São estas e outras declarações que acabam “vendendo” um evangelho diferente do que Jesus pregou. Precisamos estar atentos ao que falamos, pedido ao Espírito Santo que seja um “guarda a porta de nossa boca”, como bem sugeriu o salmista.

    Deus tenha piedade de nós!

    Autor: Pr. Aécio Ribeiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário